O que é um revestimento de peso integrado?

O revestimento de peso integrado é uma quarta camada opcional do TCP. Os materiais utilizados para esta camada são o polímero base do TCP (sendo PE, PA12 ou PVDF) misturado com partículas pesadas. Como todas as outras camadas no TCP, também o revestimento de peso é totalmente colado à camada de revestimento externa.

Que benefícios adicionais traz o TCP, por exemplo, para jumpers ou risers?

Os benefícios do TCP leve e flexível induzem a enormes efeitos em cadeia e por sua vez levam os clientes a pensar melhor e utilizar o TCP para otimizar o layout completo de campo:
  • Jumpers de poço e carretéis: A flexibilidade do TCP permite a fácil instalação de jumpers de poço, eliminando a metrologia e aumentando a caixa de destino (target box) para o próprio poço. Isto reduz o custo da perfuração do poço. Além disso, a baixa rigidez do TCP em comparação com o tubo flexível e a alta rigidez do TCP, reduz a carga nos conectores que conectam o jumper do poço à cabeça do poço ou ao manifold, o que por sua vez pode reduzir o custo dos conectores e/ou reduzir o tamanho das estruturas submarinas e seus custos associados.
  • Risers: O baixo peso do TCP Riser reduz significativamente o peso de suspensão do flutuador, plataforma ou FPSO (Floating Production, Storage and Offloading facility), o que por sua vez leva a efeitos adicionais em cadeia. O balcão do riser que suporta todos os risers em FPSO com ancoragem estendida pode ser reduzido em tamanho, o sistema de conexão dos risers na plataforma pode ser reduzido, o sistema de ancoragem é menor. Finalmente, a tensão superior menor leva a uma maior capacidade de carga útil do flutuador.

Quais são as vantagens do TCP sobre os tubos de aço?

O TCP não corrói e reduz o custo de instalação em comparação com os tubos de aço. Os benefícios podem ser resumidos da seguinte forma:
  • O aço corrói e requer raspagem e inspeção regulares, já o TCP não corrói e por isso produz continuamente sem a necessidade de inspeções regulares.
  • O TCP é fornecido em comprimentos longos de cerca de 3000 metros por bobina (com base em 6 polegadas 100 bar), e é leve e fácil de instalar. O TCP é mais barato de transportar, e a instalação pode ser rápida por flex-lay, configuração horizontal usando pequenas embarcações, ou rebocadores.
  • A flexibilidade do TCP reduz a necessidade de preparação do leito marinho e oferece mais flexibilidade para lidar com a infraestrutura existente, recifes de corais e afins. Isto reduz significativamente o custo e o tempo de instalação.
  • O fato em si do TCP ser de longo comprimento reduz o número de conexões flangeadas a um mínimo, ou a zero. A flexibilidade do TCP, em combinação com a capacidade de ser finalizado em alto-mar, permite até mesmo a conexão do tubo J, evitando completamente o mergulho e as conexões submarinas.

Como o tubo de composto termoplástico pode reduzir os custos totais de instalação e o custo total de propriedade?

O TCP é leve, capaz de ser bobinado, flexível e não corrói. Esses elementos sempre levam a uma significativa redução no custo total instalado e no custo total de propriedade, através de qualquer dos efeitos abaixo ou de uma combinação deles:
  1. Na maioria dos casos, o custo de transporte do TCP é muito menor devido ao baixo peso e flexibilidade do tubo. O TCP da Strohm é o TCP mais flexível e pode ser transportado em tambores ou paletes de madeira.
  2. A instalação pode ser feita em método flexlay / horizontal, permitindo a utilização de embarcações disponíveis, ou utilizando o comprovado método de reboque, em que são utilizados rebocadores de baixo custo para puxar o tubo até à sua localização e assentar no fundo do mar.
  3. O TCP da Strohm é o TCP mais flexível; isto permite a fácil instalação submarina do TCP por ROV, palete submarina e evita a necessidade de metrologia de jumper spools.

Temos business cases comprovados por clientes que trabalharam com nossos projetos. Teríamos o prazer de trabalhar com você na avaliação do custo do seu projeto também. Além do menor custo de instalação, o custo do ciclo de vida é reduzido devido à total falta de corrosão e à fácil recuperação do flexível TCP.

Que testes foram feitos no TCP pela Strohm, tanto em nível de material quanto em escala real?

A Strohm testa TCP em total conformidade com a norma DNVGL-ST F119. O teste abrange tanto o material em si quanto o produto em escala real, de acordo com a matriz de teste descrita na prática recomendada. Isso pode ser resumido da seguinte forma:

1. O material é testado nos fluidos em que é utilizado, a curto e longo prazo, às temperaturas mínimas e máximas de projeto. Isto inclui todos os efeitos de longo prazo, tais como envelhecimento, ruptura de tensão e fadiga. Importante é o fato de que testamos o material submerso no fluido; por exemplo, a mistura de hidrocarbonetos NORSOK M710 ou metanol, água do mar, etc.
2. O teste em escala real confirma a precisão do método de projeto validando as previsões de projeto. Esses testes incluem explosão, colapso, fadiga de curvatura, testes de impulso e similares. Além disso, a Strohm testou a erosão, o impacto e o jateamento em fogo (fire jetting), todos com grande sucesso.

Por favor, entre em contato com a Strohm para obter uma visão geral completa dos testes realizados. 

Qual é a melhor configuração de riser para TCP?

O revestimento de peso integrado oferece a possibilidade de ajustar a massa do TCP aos requisitos da análise de configuração global. Ao integrar o peso no TCP apenas quando necessário, a Strohm pode sempre oferecer o TCP na configuração preferida pelo operador. Isso inclui a configuração de riser em suspensão livre, permitindo máxima flexibilidade na colocação do poço, ou outras configurações como configurações tensionadas (por exemplo, configurações de ondas íngremes, tensionador máximo dos risers ou torres de riser).

O que é um revestimento de peso integrado?

O revestimento de peso integrado é uma quarta camada opcional do TCP. Os materiais utilizados para esta camada são o polímero base do TCP (sendo PE, PA12 ou PVDF) misturado com partículas pesadas. Como todas as outras camadas no TCP, também o revestimento de peso é totalmente colado à camada de revestimento externa.

Para linhas de fluxo, a estabilidade no leito do mar (on-bottom stability) é fundamental. Como é que o TCP se torna estável no leito marinho?

A Strohm desenvolveu um conjunto de soluções que permite ao operador ou ao empreiteiro de instalação escolher o melhor método. Estas incluem:

1. Revestimento de peso integrado, que permite que o TCP tenha peso suficiente para estabilidade de curto prazo ou estabilidade de vida total.
2. Adicionando ao peso elementos de lastro, aplicados durante a instalação
3. Ancoragem do tubo no fundo do mar.
4. Grampear peso continuo de fixação através de cabo de aço ou similar, como uma corrente.

Trabalhamos com o empreiteiro e operador de instalação para selecionar o melhor método e fornecer supervisão durante a instalação offshore.

Como o TCP riser pode ser instalado?

Projetamos o TCP Riser de tal forma que as embarcações de instalação de hoje podem ser usadas para sua instalação. Conseguimos isso selecionando o material certo em combinação com um projeto de tubo otimizado. Usando embarcações de instalação atuais, permite que os operadores substituam o tubo flexível por TCP Riser, sem a necessidade de alterar sua configuração ou comprovados métodos de instalação.

Como o TCP Flowline e Jumper Spool são desenrolados e instalados?

A Strohm projeta o TCP de tal forma que o método de instalação existente e conhecido possa ser usado, sendo este o de melhor custo benefício. Isto é resumido a seguir:

  • O TCP Flowline pode ser instalado usando o método de layout horizontal, ou layout flexível, usando pequenas embarcações, e usando o método de reboque usando rebocadores
  • Os TCP Jumper spools podem ser desenrolados usando paletes submarinos ou o guindaste da embarcação e podem ser instalados graças a tecnologia de Veículos Operados Remotamente (ROVs da sigla em inglês) ou mergulhadores, dependendo das dimensões do jumper spool.

Que tipo de certificação a Strohm tem de TCP?

Para nossos produtos submarinos, a Strohm testa o TCP em total conformidade com a prática comum DNVGL-ST F119 e possui as certificações para seu método de projeto, material, método de produção e primeiro produto TCP Flowline. Em todos os nossos produtos, fornecemos ao cliente um Certificado de Conformidade do Fabricante, certificando que o TCP que fornecemos está em conformidade com a prática comum DNVGL-ST F119.

Como a Strohm qualificou o TCP para aplicações onshore?

Testamos e qualificamos nosso produto onshore TCP Light em total conformidade com o padrão API RP 15S.

Como a Strohm qualificou o TCP para aplicações SURF e Intervenção em Poço Submarino?

A Airborne Oil & Gas possui TCP qualificado em conformidade com a prática comum DNVGL-ST F119 para TCP em aplicações submarinas. Essa qualificação inclui qualificação de produtos, materiais, abordagem de projeto e produção. Até o momento, temos o TCP qualificado para aplicação permanente em Flowlines e Jumper spools para serviço de hidrocarbonetos, injeção de metanol, injeção química e injeção de água. Para aplicações de intervenção em poços submarinos, como Downlines e Jumpers dinâmicos, a Strohm está totalmente qualificada para classificações de pressão de até 10.000 psi. 

Como o TCP é projetado? Como posso rever o projeto e me familiarizar com os métodos?

A Strohm concebe o TCP com base na compreensão fundamental do comportamento dos constituintes, da fibra e do polímero. A fim de trabalhar com os nossos clientes no projeto, escrevemos um relatório branco sobre este assunto, chamado Design and Qualification of Thermoplastic Composite Pipe. Por favor, entre em contato conosco para receber uma cópia deste documento. Ele descreve o método de design e qualificação que utilizamos. Além disso, a fim de ajudar nossos clientes a se tornarem mais familiarizados com o TCP e seu design, fazemos um treinamento denominado Almoce & Aprenda quando oferecemos informações sobre o projeto TCP.

Por favor, entre em contato conosco para mais informações.

Quais são os principais benefícios diretos do TCP para aplicações em SURF e Intervenções Submarinas e de Poço?

Todos os produtos: Sem corrosão, menor custo, menos CO2.
 
  • Flowlines: Menor custo total instalado e menor custo total do ciclo de vida por menor custo de transporte e instalação. Capacidade de terminar a tubulação offshore e puxar através de tubos J offshore sem conectores.
  • Jumpers e bobinas de poços: Custo total instalado drasticamente mais baixo graças a evitar a metrologia, instalação submarina mais fácil através de palete submersível ou diretamente pela grua do navio, e custo mais baixo de tubulação em comparação com a tubulação flexível.
  • Risers: Vida útil superior, desempenho superior em fadiga e ausência de rachaduras por corrosão de stress. Custo de instalação significativamente mais baixo graças a evitar elementos de flutuação, instalação relacionada, e menos seções de riser. Tensão superior mais baixa.
  • Jumpers: Vazões de fluidos elevadas em combinação com resistência ao colapso em grandes profundidades de água.

Como o TCP se compara ao RTP (Reinforced Thermoplastic Pipe), ou seja, Tubo Termoplástico Reforçado?

Por natureza, sendo o TCP mais forte e verdadeiramente e totalmente colado, o escopo de aplicação do TCP é significativamente maior do que o do RTP. Em resumo:
  • O RTP pode lidar com pressões de até 70 bar, sendo que o TCP está atualmente qualificado para 689 bar, ou 10.000 psi, ou seja, 10 vezes mais elevado.
  • O RTP é usado principalmente onshore, às vezes em águas muito rasas, com um máximo de cerca de 30 metros. O TCP é qualificado para 3000 metros de profundidade e é comprovado com histórico de 2140 metros de profundidade de água.
  • O RTP não pode lidar com serviços de gás sob pressão mais alta sem que se implemente medidas adicionais importantes, como respiradouro (venting) de gás, etc. O TCP não exige isto e pode tratar de todos os serviços, incluindo o gás doce, ácido, bruto, em fluxo pleno e gás.
  • Os diâmetros de tubo interno do RTP são tipicamente limitados a 5,6 polegadas. Nosso TCP vai até 7,75 polegadas de diâmetro interno do tubo.
  • O RTP normalmente pode ser fornecido em comprimentos de 300 metros por bobina; o TCP é fabricado em comprimentos contínuos de pelo menos 3.000 metros. O comprimento máximo fornecido por bobina depende do tamanho permitido do tambor, mas mesmo nos tambores transportáveis padrão o TCP pode ser fornecido em comprimentos de pelo menos 600 metros.

O TCP é corroído pela areia produzida ou por outras formas de erosão?

A Strohm concluiu um extenso programa de testes de erosão que mostrou que o desempenho da erosão é melhor do que no aço. Este programa de testes incluiu a criação e validação de um modelo de dinâmica de fluidos computacional que nos permite realizar uma avaliação precisa do perfil de erosão de nossos clientes.

O TCP é danificado pelo impacto de objetos estranhos?

A Strohm realizou testes de impacto severos para compreender o efeito da carga de impacto no TCP devido à queda de objetos ou manuseio de tubos muito grosseiros. Os resultados dos testes provaram que os materiais dúcteis e flexíveis que usamos no TCP oferecem excelente resistência ao impacto e absorção de choques.

Como o TCP é finalizado, e isso pode ser feito em campo?

Sim, o nosso TCP pode ser terminado em campo. Por causa de nossa parede forte e totalmente colada, que inclui o revestimento externo colado, podemos simplesmente cortar o tubo em qualquer local ao longo dele e terminar em campo. Podemos fazer isso offshore também, em posição horizontal ou vertical, por exemplo, acima do tubo J. Esse conceito permite que os clientes tenham um comprimento de tubo em estoque e cortem no comprimento necessário, uma solução ideal, por exemplo, em aplicações submarinas de jumper.

Por que a Strohm usa um revestimento no TCP?

Aplicamos um revestimento externo totalmente fundido para proteger o tubo durante o manuseamento e a instalação. O revestimento externo é uma parte integrante do TCP, pois usamos o mesmo polímero que a matriz na camada compósita; em consequência, o revestimento externo é muito forte, durável e continuo até o encaixe final como parte da terminação. Nosso TCP não sofre de descompressão rápida de gás, bolhas ou descasque de revestimento, que é um modo de falha conhecido em sistemas de tubos compostos com revestimento não fundido nas operações de gás.

Que materiais o Strohm usa no TCP e por quê?

Sempre selecionamos o material com melhor custo benefício para cada aplicação. Assim como o aço, os operadores não usam o aço inoxidável duplex em toda a sua infraestrutura; em vez disso, eles usam o material mais econômico onde possível. Ao examinar atentamente todos os materiais e seu desempenho, hoje selecionamos o vidro-PE, o carbono-PA12 e o carbono-PVDF como os melhores materiais, pelas seguintes razões:
  • Estes materiais são mais econômicos dentro de sua faixa de uso em termos de pressão e temperatura.
  • São os polímeros mais flexíveis, o que facilita a manipulação e a instalação. Além disso, sua ductilidade evita qualquer micro fissuração na estrutura do tubo durante a dobra, já que os polímeros são mais frágeis.
  • Permitem o menor raio de curvatura mínimo, incluindo risers, permitindo a utilização de métodos de instalação conhecidos e comprovados.
  • Todos estes polímeros já têm um longo histórico na indústria de petróleo e gás.

Temos sempre o prazer de explicar como trabalhamos na criação de design e escolha do material certo, bem como temos o prazer de compartilhar com você comparações de custos. Por favor, entre em contato conosco para mais informações: info@strohm.eu.

Qual é a estrutura e construção do Tubo de Composto Termoplástico?

O Tubo de Composto Termoplástico, ou TCP, tem uma parede de tubo simples, totalmente colada ou monolítica. Consiste em um revestimento interno de polímero do tipo liner, uma camada de reforço de compósito que consiste em várias camadas individuais de fita reforçada de fibra, e um revestimento externo robusto. Os polímeros usados no revestimento, a matriz de fibra e o revestimento são sempre do mesmo tipo. Utilizamos como polímeros o Polietileno (PE), o Poliamida (PA12) e o Difluoreto de Polivinilideno (PVDF) e como reforço as fibras de vidro ou de carbono. Todas as camadas individuais são fundidas em conjunto, assegurando uma cola entre as camadas tão forte e duradoura como os materiais de base. A simplicidade do conceito resulta num produto seguro e confiável devido ao número muito limitado de potenciais modos de falha; o fato de utilizarmos sempre o material mais adequado em função da aplicação garante que oferecemos sempre a solução com melhor custo benefício.

Quem é a Strohm e por que ela afirma ser a primeira e principal fabricante de TCP?

A Airborne International, como antiga empresa mãe da Strohm, desenvolveu o conceito de TCP em 1999. A Strohm, que naquela altura era denominada Airborne Oil & Gas, foi criada como Unidade de Negócios dedicada sob a Airborne International para comercializar e desenvolver ainda mais o TCP. Assim a Strohm foi a primeira empresa a ter desenvolvido TCP no mundo. A Airborne Oil & Gas tornou-se uma empresa independente em 2014, e foi renomeada Strohm em 2020. Hoje, temos o maior histórico de TCP, com a maioria dos tubos em funcionamento e vários recordes, incluindo o TCP mais profundo do mundo com 2140 metros de profundidade de água, e o primeiro TCP Flowline do mundo para serviço de hidrocarboneto.